PSD, Passos Coelho e Cavaco Silva em quebra no Barómetro Político

De acordo com os dados de Janeiro do Barómetro Político da Marktest, a intenção de voto no PSD e o saldo de imagem do Primeiro-ministro e do Presidente da República registaram uma quebra face aos valores apresentados em Novembro.

Grupo Marktest,  31 janeiro 2012

Intenção de Voto: Se as eleições para a Assembleia da Republica fossem hoje, o PSD voltaria a ganhar com um valor muito próximo, do alcançado a 5 de Junho de 2011, com 37.6% dos votos. O PS ficar-se-ia pelos 25.2% dos votos.

De acordo com a intenção de voto para a Assembleia da Republica recolhida no Barómetro Político da Marktest de Janeiro 2012, são visíveis as alterações ocorridas entre Novembro do ano passado e o actual momento: o PSD regista uma quebra de -7.8 pontos percentuais na intenção de voto enquanto o PS e o BE sobem respectivamente 5.5 e 3.6 pontos percentuais.

De registar que a quebra na intenção de voto no PSD é mais acentuada junto dos inquiridos residentes na Grande Lisboa (-16,2 pontos percentuais), dos inquiridos com mais de 54 anos (-10,6 pontos percentuais) e dos inquiridos pertencentes às classes sociais C2/D (-9,1 pontos percentuais).

Por sua vez, os ganhos do PS fazem-se sentir sobretudo junto dos inquiridos do sexo masculino (mais 9,4 pontos percentuais), dos inquiridos com idade superior a 54 anos (mais 10,5 pontos percentuais) e dos residentes no Sul (mais 12,5 pontos percentuais.).

Com 7,7% de intenção de voto, o Bloco de Esquerda recupera o lugar de terceira força política que tinha perdido em Abril 2011 para a CDU, que ocupa agora o quarto lugar com 6.1% da intenção de voto (menos 1,8% do que em Novembro) e o CDS/PP passa para quinto lugar com 4% de intenção de voto.

Saldo de Imagem: Pedro Passos Coelho acusa o desgaste ao fim de 6 meses de governação

A acompanhar a quebra na intenção de voto registada pelo principal partido do Governo, também a imagem do Primeiro-ministro Pedro Passos Coelho regista quebras acentuadas: 54% dos inquiridos são de opinião que Pedro Passos Coelho tem tido uma actuação negativa. De um saldo de imagem positiva de 5.1% em Novembro de 2011, o actual Primeiro-ministro detém actualmente um saldo negativo de 18.5%. São os inquiridos com idade entre os 35 e os 54 anos (57,4%), os residentes no Litoral Centro (59%) e os pertencentes às classes sociais C1 (56,9%) e C2/D (56,5%) aqueles que lhe atribuem um desempenho mais negativo.

Também Paulo Portas é penalizado, quanto à sua actuação, na avaliação que foi feita pelos inquiridos, neste mês de Janeiro, já que o seu saldo de imagem negativo passou de -2.4% em Novembro face aos actuais -15,1%.

Contrariamente, os saldos de imagem dos líderes do Bloco de Esquerda e do PCP são agora ligeiramente mais favoráveis do que em Novembro. O mesmo não se pode afirmar face ao líder do principal partido da oposição, António José Seguro, cujo saldo de imagem se mantém negativo, sem grandes variações (-5.3% em Novembro de 2011 face aos actuais -5.6%).

O saldo de imagem resulta da diferença entre as opiniões positivas e as negativas, ponderada pelo peso das respostas expressas.

Presidente da República com a imagem mais negativa de sempre

Este mês assistimos simultaneamente a duas situações inéditas: Cavaco Silva regista a maior percentagem de avaliações negativas, desde que tomou posse como Presidente da República em 2006 e esse valor pela primeira vez é superior a 50%. Como Presidente da República, a actuação de Cavaco Silva nunca tinha sido avaliada de forma negativa por uma tão elevada percentagem de inquiridos.

No Barómetro realizado em Fevereiro de 2006 - logo a seguir à sua primeira vitória nas eleições presidenciais - 20,1% dos inquiridos consideravam que a actuação de Cavaco Silva era negativa e o seu saldo de imagem era de 19.5%. Agora, quase 6 anos depois, esse saldo passa para -16.0%.

Em Janeiro de 2012, Cavaco Silva regista 51,2% de opiniões negativas face à sua actuação (mais 15,9 pontos percentuais face a Novembro de 2011). São os inquiridos dos 18 aos 34 anos (55,0%), dos 35 aos 54 anos (54,2%), os residentes na Grande Lisboa (56,5%) e no Litoral Centro (59,7%) e os pertencentes às classes sociais A/B (55,5%) os que mais penalizam a actuação do Presidente da República.

A sua actuação pouco interventiva é na opinião da maioria dos entrevistados (69%) a principal razão que os leva a classificarem de forma negativa a actuação de Cavaco Silva. Estas referências destacam-se junto dos residentes na Grande Lisboa (91,2%) e no Grande Porto (85,4%).

Por seu lado, os cerca de 32% de inquiridos que ainda assim avaliaram a actuação do Presidente como positiva, apontaram como principais razões o facto de Cavaco Silva estar a fazer um bom trabalho (9%), pela sua neutralidade, e por interferir apenas nas alturas certas (ambas com 7.1%).

Os resultados deste Barómetro estão disponíveis aqui.

Consulte a Ficha Metodológica do Barómetro ou contacte-nos para mais informações sobre este assunto

Esta análise foi corrigida no dia 1 de Fevereiro de 2012.

Do mesmo tema: Estudos de Opinião

O Grupo Marktest autoriza a reprodução desta notícia nos meios de comunicação social desde que indicada a fonte: Grupo Marktest e outras fontes por ele citadas

Notícias recentes

Notícias da mesma semana

Antigas

Era notícia há um ano
Era notícia há dois anos
Era notícia há três anos

Arquivo

27 julho 2017