Legado de Obama difícil para sucessores

Uma sondagem da Win Gallup International realizada em 45 países revela que a maioria dos inquiridos pensa que a América saiu mais forte da governação Obama.

Grupo Marktest,  25 outubro 2016

"Na sua opinião, como classifica, em termos gerais, o impacto do presidente Obama no poder que a América tem no mundo? Tem-no tornado mais forte, mais fraco ou não houve diferenças nestes 8 anos de governação?" Esta foi a pergunta que a Win Gallup International, network internacional à qual a Marktest se encontra associada, colocou aos habitantes de 45 países do mundo.

Excluindo as respostas dos americanos, uma maioria de 47% indica que a América saiu mais forte da governação Obama, 18% pensa que saiu mais fraca, 27% acha que não houve diferença e 9% não emite opinião.

Esta opinião é unânime em todos os países, com a exceção da Letónia, dos territórios Palestinianos e da Federação Russa, locais onde a governação Obama é vista como tendo enfraquecido o poder da América no mundo.

Portugal é o terceiro país a valorizar mais o legado de Obama. 68% dos inquridos pela Marktest consideram que a América saiu mais forte, 8% que saiu mais fraca, 18% entendem que não teve diferença e 8% não emite opinião.

Quanto aos sucessores de Barack Obama, as expectativas são diferentes. Questionados sobre se um dos candidatos, Hillary Clinton ou Donald Trump "for eleito/a Presidente, irá ter em sua opinião, melhor desempenho, pior desempenho ou igual desempenho do que Obama", as opiniões estão mais divididas.

Excluindo as respostas dos americanos, se Clinton for eleita, 39% considera que terá uma melhor atuação do que Obama, 14% pior, 30% igual e 17% não emite opinião. Mas essa opinião não é consensual entre os vários países, como se confirma observando o mapa, que representa a opinião maioritária em cada país.

Já se Trump for eleito, 27% acha que terá melhor atuação do que Obama, 34% pior, 21% igual e 17% não sabe ou não responde. Em Portugal foi onde se registaram expectativas mais pessimistas face a Donald Trump, com 4% dos inquiridos a considerar que terá melhor atuação do que Obama, 87% a entender que será pior, 4% que será igual e 5% que não sabe ou não responde. Nos vários países onde foi realizada esta sondagem, a opinião maioritária é a de que Trump terá um pior desempenho do que Obama, como o demonstra o mapa seguinte.

Considerando isoladamente as respostas dos residentes nos Estados Unidos, os valores distanciam-se bastante da média dos restantes países onde foi feita esta sondagem.

No que diz respeito ao poder da América depois da governação de Barack Obama, 38% dos americanos considera que ele está hoje mais forte, mas uma percentagem semelhante (37%) considera que está mais fraco, 18% que não há diferença e 7% não sabe ou não responde. As expectativas dos americanos são pessimistas quanto à atuação do futuro Presidente. Relativamente a Hilary Clinton, 20% acha que vai ter melhor atuação do que Obama, 36% que vai ter pior, 33% que vai ser igual e 11% não emite opinião. Face a Donald Trump, 33% entende que a sua atuação será melhor do que a de Obama, 51% que será pior, 6% que será igual e 10% não emite opinião.

O estudo da Win Gallup foi realizado entre Agosto e Setembro de 2016, junto de uma amostra de 44 194 entrevistados, residentes em 45 países de todas as regiões do Mundo. Em Portugal, a Marktest foi a responsável pela recolha de informação, que consistiu num estudo online junto de uma amostra de 516 indivíduos com 18 e mais anos.

A Marktest é associada da WIN-Gallup International desde o início de 2012. A rede Worldwide Independent Network/Gallup International Association (WIN/GIA) é composta pelas 67 maiores empresas independentes de estudos e mercado e sondagens de opinião a nível global, que em conjunto representam mais de 600 milhões de USD em receitas e 89% do mercado mundial. A Marktest foi a empresa portuguesa seleccionada para fazer parte desta rede, estando a partir de agora apetrechada com ferramentas que nos permitem responder de forma ainda mais integrada às necessidades dos nossos clientes.

Contacte-nos se pretende mais informações sobre este assunto.

Notícias internacionais

Do mesmo tema: Notícias internacionais

O Grupo Marktest autoriza a reprodução desta notícia nos meios de comunicação social desde que indicada a fonte: Grupo Marktest e outras fontes por ele citadas

Notícias recentes

Notícias da mesma semana

Antigas

Era notícia há um ano
Era notícia há dois anos
Era notícia há três anos

Arquivo

24 março 2017