Albufeira e Sesimbra com maior crescimento populacional

Assinalando o Dia da População, a análise dos dados do INE mostra que, nos últimos 35 anos, os concelhos de Albufeira e Sesimbra foram os que mais população ganharam, com um ritmo de crescimento médio anual acima de 2%.

Grupo Marktest,  11 julho 2017

Assinala-se hoje, dia 11 de Julho, o Dia Mundial da População, um motivo para analisarmos a dinâmica demográfica do país.

Os resultados dos Censos e estimativas da população do INE, disponíveis no sistema de geomarketing Sales Index da Marktest e na sua aplicação web Municípios Online revelam que, entre 1980 e 2015, apenas dois concelhos do país registaram um crescimento médio anual da sua população acima de 2%. Albufeira registou uma variação anual média de 2.5% e Sesimbra de 2.3%.

Santa Cruz (Madeira) e Mafra aproximaram-se daquele patamar, com 1.9% e Seixal e Benavente tiveram um crescimento médio de 1.8%.

No seu todo, o país cresceu apenas 0.1% em média, por ano, com 106 concelhos a registarem crescimento, 8 concelhos a permanecerem sem alterações médias anuais, enquanto a maioria, 195 concelhos, observaram um decréscimo populacional.

Este decréscimo foi mais evidente nos concelhos do interior, nomeadamente Alcoutim (-2.1%), Montalegre e Vimioso (-2%) assim como Vinhais, Carrazeda de Ansiães e Oleiros (-1.9%).

Em 2015, as mulheres constituíam a maioria da população (52.6%), mas essa regra não se aplicou em sete concelhos do país, sendo no Corvo que mais peso relativo tinha a população do sexo masculino (56.6%). Lajes das Flores, Azambuja, Grândola, Ribeira Grande, Calheta (Açores) e Velas também registam mais efetivos masculinos do que femininos.

Nestes 35 anos, o país passou de 9 818 400 para 10 341 330 residentes, tendo assim aumentado em 523 mil os seus efetivos. Mas a estrutura etária da população alterou-se, apresentando hoje uma média de idades bastante mais elevada.

Se, por exemplo em 1991, 36.3% da população tinha menos de 24 anos, em 2015 esse peso baixou para 24.8%, ao mesmo tempo em que aumentou o peso dos mais idosos (acima de 64 anos), que em 1991 representavam 13.6% da população e agora representam 20.7%, chegando a ultrapassar os 40% em concelhos como Alcoutim, Idanha-a-Nova, Vinhais, Penamacor ou Pampilhosa da Serra.

Números a ter em conta quando se reflete sobre a população e o impacto que a estrutura demográfica de algumas regiões tem para a sua sustentabilidade.

Os dados desta análise são publicados pelo INE e relativos ao ano 2015, estando disponíveis no sistema de geomarketing Sales Index da Marktest e na sua aplicação web Municípios Onilne. Contacte-nos para mais informações.

Do mesmo tema: Estudos sobre os Concelhos/Regiões

O Grupo Marktest autoriza a reprodução desta notícia nos meios de comunicação social desde que indicada a fonte: Grupo Marktest e outras fontes por ele citadas

Notícias recentes

Notícias da mesma semana

Antigas

Era notícia há um ano
Era notícia há dois anos
Era notícia há três anos

Arquivo

20 julho 2017