Conhecer o Sales Index
Esperança Afonso, responsável pelo sistema de informação Sales Index da Marktest troca algumas impressões com a Marktest.com Notícias a propósito do recente lançamento da edição 2009 desta aplicação de geomarketing.
Grupo Marktest,  28 maio 2009

placeholder
Esperança Afonso,
Responsável Sales Index
Marktest.com Notícias (Mcom): O Sales Index é uma aplicação que a Marktest desenvolve desde 1992. Ao fim de tantos anos, o produto ainda se mantém actual?

Esperança Afonso (EA): Julgamos que sim. O esforço que temos realizado tem precisamente como objectivo manter este produto actual. E esse esforço tem sido direccionado em três vertentes: na vertente de informação, que procuramos seja mais diversificada, actual e fidedigna, na vertente das ferramentas, que procuramos sejam mais adaptadas às necessidades dos nossos utilizadores, e na vertente de apoio técnico, que procuramos permita aos utilizadores tirar o máximo proveito da extensa base de dados e ferramentas que a aplicação disponibiliza.

Mcom: Ainda houve espaço para novidades em 2009? Quais foram elas?

EA: Procuramos que todos os anos existam mais-valias para os nossos utilizadores, quer na abrangência e desagregação regional da informação disponibilizada, quer nas funcionalidades desenvolvidas. Este ano, a edição do Sales Index conta com múltiplas melhorias nos módulos já existentes e com a implementação de novas funcionalidades. Bom, e todo o interface foi "refrescado": a começar pela apresentação dos mapas, todos os ícones e botões foram redesenhados de forma a tornar a aplicação mais intuitiva e apelativa para o utilizador. A área de Bases de Dados de Cliente também sofreu uma evolução: o Sales Index passou a permitir que o utilizador tenha várias bases de dados no sistema e as utilize alternadamente. Foram criadas novas templates de mapas, bem como uma nova livraria de imagens para a criação de mapas de imagens. Destacaria sobretudo as novas funcionalidades implementadas este ano: a possibilidade de criar índices apenas para algumas regiões e a possibilidade de criar variáveis dinâmicas (que "guardam" a fórmula com que são criadas e a aplicam a outros níveis de análise). O objectivo destes desenvolvimentos é adaptar cada vez melhor a ferramenta às necessidades dos nossos utilizadores.

Mcom: Quem é que utiliza esta aplicação?

EA: O leque de utilizadores do Sales Index é muito diversificado, a começar logo pelos mais altos órgãos de soberania do Estado. O sector financeiro, automóvel, imobiliário, tal como a media, distribuição, consultadoria, ensino ou autarquias locais são as áreas que mais utilizam a aplicação. A aplicação é sobretudo dirigida para quem necessita de gerir o território e por isso todas as áreas com uma expressão territorial relevante são potenciais utilizadoras do Sales Index.

Mcom: As Câmaras Municipais usam o Sales Index? Em que é que esta ferramenta lhes poderia ser útil, sobretudo nesta conjuntura em que se preparam as eleições autárquicas?

EA: O Sales Index concentra num único "local" um conjunto muito diversificado de indicadores estatísticos essenciais ao planeamento e gestão do território e por isso julgamos que constitui uma ferramenta muito útil para as autarquias, que, de resto, usam o Sales Index (temos vários clientes na área das autarquias locais e de outros órgãos de gestão regional). Nesta conjuntura específica, em que se vive uma crise económica e em que se preparam vários actos eleitorais, entre os quais as eleições para as autarquias locais, a gestão dos orçamentos tem uma relevância maior que nunca, mas a necessidade de ferramentas de análise que permitam sustentar as decisões a tomar, também. O Sales Index, porque concentra dados de diversas fontes e funcionalidades de análise e integração de informação, permite economias bastante significativas, desde logo, no tempo necessário à recolha, validação e integração dos dados. E a possibilidade das autarquias obterem os índices criados pela Marktest, que são hoje uma referência nacional, tal como outros indicadores que lhes permitam perceber como é que os seus municípios se comportam e posicionam relativamente aos demais, reveste-se de total interesse na actual conjuntura.

Mcom: A presente conjuntura económica coloca às empresas e instituições inúmeros desafios. Qual o papel que o Sales Index pode desempenhar neste enquadramento?

EA: Julgo que pela minha resposta anterior fica claro que o Sales Index é, hoje mais do que nunca, um instrumento útil às empresas portuguesas, pois, para além dos dados que inclui, permite um conjunto muito diversificado de análises de informação, desde a criação de mapas, até à realização de análises estatísticas complexas. Muito relevante também, é a possibilidade de o sistema integrar dados do próprio utilizador. Estes dados podem ser indicadores estatísticos (variáveis de utilizador) ou territórios (regiões de utilizador). E a relação custo/benefício da aplicação é muito positiva para os nossos clientes, que beneficiam ainda de formação inicial e apoio técnico permanente. O software é também bastante intuitivo e fácil de utilizar e tem, por isso, custos de aprendizagem bastante baixos. Não é necessário que os utilizadores do sistema tenham conhecimentos especiais em determinadas áreas e, para além da instalação inicial, o sistema não requer apoio informático especial, pelo que os custos de IT internos também não são relevantes para os nossos clientes. Julgamos por isso que, numa altura em que as empresas e instituições têm de tomar decisões e de sustentar essas decisões face aos desafios que a conjuntura oferece, o Sales Index constitui uma ferramenta bastante útil para poupar esforços, tempo e budgets na implementação de sistemas e desenvolvimento de análises de geomarketing.

Mcom: A Marktest tem posicionado o Sales Index como uma aplicação de geomarketing. Mas não existem inúmeras aplicações de geomarketing em Portugal? O que é que distingue o Sales Index das demais?

EA: Julgo que uma das principais diferenças do Sales Index relativamente a outras soluções de geomarketing existentes em Portugal é o facto de a aplicação ser entregue "chave na mão". A aplicação é standardizada para todos os utilizadores, o que permite apresentar uma solução de custo mais baixo. A maior parte dos utilizadores não necessita na maior parte do tempo de realizar análises de geomarketing muito complexas e com um detalhe geográfico muito granular, até porque muitas vezes chega-se a uma situação intransponível em que existem mapas detalhados para uma determinada área ou região mas depois não existe informação de mercado para completar a análise de geomarketing. Diria por isso que o Sales Index convive bem com outros sistemas, muitas vezes mais complexos e customizados, porque, de modo bastante simples de utilizar, possui as componentes necessárias para ser complementar a esses sistemas. O banco de dados do Sales Index é uma das suas componentes mais valorizadas pelos utilizadores, que aqui encontram dados estatísticos por freguesia ou concelho que abrangem as principais áreas de interesse do mercado. Depois, as principais ferramentas de geomarketing ou que permitem análises de geomarketing estão presentes no Sales Index (por exemplo, definição de áreas de influência, caracterização de áreas de influência, selecção dos melhores locais para abrir ou fechar pontos de venda, comparação entre dois territórios de implantação potenciais, selecção de áreas para distribuir folhetos promocionais, definição de objectivos comerciais por ponto/loja ou por área de influência…). Diria também que o sistema possui ferramentas de integração de informação de cliente, que dispensam grandes investimentos de IT na sua implementação (de modo muito simples, o cliente pode integrar os seus indicadores estatísticos na aplicação, criar as suas próprias regiões e usar essa informação como a restante fornecida pela Marktest). A formação e apoio técnico constituem o terceiro vértice deste triângulo. Finalmente, diria também que uma das características distintivas do sistema é o facto de, apesar do nome, ser uma aplicação concebida e desenvolvida em Portugal por portugueses e direccionada ao mercado nacional.

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais