Consumo de congelados pré-confeccionados aumenta mais de 60%

Segundo os dados do estudo Consumidor da Marktest, o consumo de congelados pré-confeccionados nos lares sofreu um aumento 63.6% nos últimos cinco anos.

Grupo Marktest,  3 janeiro 2008

O Consumidor da Marktest contabiliza 2 318 mil lares no Continente onde se consomem congelados pré-confeccionados, um valor que representa 66.1% do universo em estudo.

O número de lares que consomem este tipo de produtos tem aumentado nos últimos anos, verificando-se um acréscimo de 63.6% entre 2002 e 2006.

Na análise da penetração deste produto, a idade da dona de casa (responsável pelas compras para o lar) é a variável mais discriminante, pois é a que revela maiores diferenças de comportamento entre os indivíduos.

O consumo deste produto é superior nos lares com donas de casa jovens, naqueles onde o chefe de família (indivíduo que contribui com maior rendimento para o lar) exerce ocupação como quadro médio ou superior e nos de classe social mais elevada.

Pelo contrário, o consumo de congelados pré-confeccionados apresenta maior desvio negativo face à média nos lares com donas de casa acima dos 55 anos, naqueles onde o chefe de família é inactivo, nos de classe social baixa, naqueles cuja composição familiar está acima dos 44 anos e nos lares da região Interior Norte, Litoral Centro e Sul.

Nos lares onde a dona de casa tem entre 25 e 34 anos o consumo de congelados pré-confeccionados atinge os 84.2%. Já nos lares em que a ocupação do chefe de família é quadro médio ou superior a penetração é de 81%. Entre as regiões, as maiores taxas de consumo de congelados pré-confeccionados são observadas junto dos lares do Grande Porto e da Grande Lisboa, respectivamente 76% e 72%. Por classe social, a maior percentagem de consumo observa-se nos lares das classes alta e média alta (78.7%).

Esta análise foi realizada com base nos resultados do estudo Consumidor da Marktest. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

Arquivo de notícias

Clipping

ver mais

Em Agenda ver mais