¼ dos bancarizados costumam acompanhar o que se escreve sobre o seu banco nas redes sociais
¼ dos bancarizados costumam acompanhar o que se escreve sobre o seu banco nas redes sociais
placeholder
Segundo o estudo Basef Banca da Marktest, 2 milhões de bancarizados costumam acompanhar o que se escreve sobre o seu banco nas redes sociais.
Grupo Marktest
22 dezembro 2014

placeholderAs redes sociais são actualmente canais de comunicação e de relação entre as marcas e os seus consumidores. Porém, se por um lado a presença das marcas nas redes sociais pode servir para aproximar a marca e os seus consumidores, além de permitir a divulgação de conteúdos de uma forma mais interactiva que outros meios tradicionais não permitem, por outro lado, também muitas vezes a dificuldade em controlar as mensagens e conteúdos que são deixadas nas páginas, pode traduzir-se num “perigo” para as marcas.

Mas quem são afinal os seguidores das marcas nas redes sociais? E nomeadamente na área da Banca, quantos são os que seguem os seus bancos nas redes sociais e quantos são os que costumam escrever comentários sobre os mesmos nas redes sociais?

Em Maio de 2012 a Marktest lançou estas questões aos bancarizados portugueses através do seu estudo BASEF Banca e na altura 1.723.000 indivíduos bancarizados de Portugal Continental com 15 e mais anos de idade afirmaram que costumavam acompanhar o que se escrevia sobre os seus bancos nas redes sociais. Dois anos passados, este valor aumentou 17%, sendo agora 2.016.000 (26%) os bancarizados que afirmam que costumam seguir os bancos com que trabalham nas redes sociais.

Numa análise de perfil verifica-se que são mais as mulheres do que os homens que tendem a seguir o que se escreve sobre os seus bancos nas redes sociais. 46% dos seguidores têm entre 25 e 44 anos e quase metade (47%) residem na Gr. Lisboa ou Litoral Norte.

Os dados Marktest, revelam também que os clientes Montepio são os que mais acompanham o que se escreve nas redes sociais acerca dos bancos com que trabalham (32,1%). Em segundo lugar encontram-se os clientes Millennium bcp, com 30,4% a afirmarem ter o mesmo comportamento, seguidos pelos clientes do Novo Banco (29,5%).

Os clientes Santander Totta são, dos bancos em análise, os menos interessados em acompanhar o que se escreve, sobre os bancos com que trabalham, nas redes sociais.

placeholder

Sendo as redes socias um fenómeno do espaço cibernáutico, interessa ainda averiguar quantos dos bancarizados que acompanham o que se escreve sobre os bancos com que trabalham, utilizam o serviço de Internet Banking. Os dados Marktest mostram que 49,9% são utilizadores deste serviço bancário.

placeholder

Para além destes dados, a Marktest verifica ainda que 161.000 (8%) dos bancarizados que costumam acompanhar o que se escreve sobre os bancos com que trabalham nas redes sociais também costumam escrever comentários sobre os mesmos, sendo eles próprios geradores de buzz em torno das marcas.

Esta análise foi realizada com base nos resultados do estudo Basef Banca da Marktest, um estudo regular da Marktest, lançado em 1989 e que tem por objectivo apoiar o marketing dos Bancos, fornecendo informação sobre os comportamentos, atitudes e opiniões dos consumidores efectivos e potenciais dos serviços financeiros destinados aos particulares. Estuda o universo constituído pelos indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos, residentes em Portugal Continental. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

Arquivo de notícias

Clipping

ver mais
Em Agenda ver mais