O valor das sondagens
O valor das sondagens
placeholder
Num texto publicado no Diário Económico, Luís Queirós, Chairman do Grupo Marktest, reflecte sobre as sondagens políticas e os resultados do recente Barómetro Político Marktest.
Marktest Investimentos
8 junho 2010

placeholder
Luís Queirós,
Chairman do Grupo Marktest
Os resultados do Barómetro da Marktest de Maio, para o Diário Económico e para a TSF, ao colocarem o PSD à beira da maioria absoluta, mostraram que algo mudou sobre a intenção de voto dos eleitores portugueses. Estes resultados são surpreendentes, e vêm criar uma ruptura com uma série que apresentava, desde há vários meses, uma supremacia eleitoral do Partido Socialista. Considero oportuno tecer algumas considerações metodológicas sobre a realização de sondagens, e, nomeadamente, esclarecer a metodologia subjacente ao Barómetro. E faço isto para que não se caia na fácil tentação de criticar o mensageiro quando a notícia é menos boa.

A realização de sondagens fundamenta-se na teoria estatística da amostragem, sobejamente conhecida. O princípio é simples: uma amostra que é uma parte de um todo - O Universo - serve para o representar desde que os elementos que a compõem sejam extraídos desse todo de uma forma "aleatória". Diz-se, neste caso, que a amostra é representativa do Universo. Mas, na prática, assegurar a representatividade de uma amostra não é uma tarefa fácil.

São duas as formas mais correntes de seleccionar os elementos de uma amostra. A mais elegante e "científica" consiste em recrutar para a amostra um conjunto de elementos (eleitores, por exemplo) escolhidos completamente "ao acaso", ou de forma perfeitamente aleatória. Diz-se que o processo é aleatório, se todo e qualquer elemento do Universo tiver, à partida, a "mesma probabilidade de ser escolhido". Nas sondagens eleitorais isto nunca se faz, e a razão é simples: não é possível fazê-lo. O facto de haver eleitores que se recusam a responder a inquéritos de sondagens (e são muitos!) reduz a zero a probabilidade de eles serem inquiridos. E, infelizmente, há muitos outros factores que modificam, para mais ou para menos, a "seleccionabilidade" dos eleitores: ou por que não têm telefone (se o inquérito é telefónico), ou por que passam pouco tempo em casa (se o inquérito é pessoal, no domicílio), ou por que residem em zonas isoladas, ou por que existem barreiras ao contacto.

Para ultrapassar a dificuldade de recrutar aleatoriamente uma amostra, existe um outro método para garantir a representatividade (ou, pelos menos, assegurar uma boa aproximação), chamado amostragem "por quotas". Neste método, a amostra é "construída" para ter a mesma estrutura do Universo, isto é, do todo. Se eu sei que 51% dos eleitores são mulheres, então eu incluirei na minha amostra a mesma percentagem de mulheres, e faço da mesma forma para as idades, e para o "grau de instrução", etc. E vou mais longe, cruzando variáveis, de modo a criar "células". Posso, por exemplo, "obrigar" que a minha amostra tenha x% de "jovens, residentes no Porto, de instrução superior, pertencentes à classe média". E isto porque eu sei que existem exactamente x% de eleitores com aquelas características.

Construir uma amostra pelo sistema de quotas é um processo complexo e moroso, e obriga a contactar muitas pessoas, pois apenas são aceites as que preenchem o perfil exigido. E, à medida que a amostra se vai completando, a dificuldade acresce, pois ficamos com menos "graus de liberdade" na selecção. O derradeiro elemento da amostra poderá ser "um jovem, da classe alta, do Norte Interior", e podemos ter de realizar dezenas de telefonemas antes de o encontrar. Uma das grandes vantagens do método é que ele é independente da forma de contacto, isto é, telefónico ou domiciliário.

Uma vez "construída" uma amostra por quotas, é muito conveniente guardá-la para voltar a usá-la na inquirição seguinte. Poupa-se todo o trabalho de selecção, ganha-se tempo e dinheiro. Mas corre-se o risco de que inquirições sucessivas, "infectem" a amostra, e que se crie um efeito de aprendizagem (mais evidente quando as perguntas se repetem em cada vaga), ou até que as pessoas queiram ser simpáticas e dar opiniões " politicamente mais correctas". Nós chamamos a isso o sesgo ou enviesamento "de cortesia".

Construir uma amostra nova de cada vez ou recorrer a uma amostra já construída, é, pois, uma opção crítica que faz uma diferença substancial, que interfere nos resultados, e provoca grandes diferenças nos dados da ficha técnica, por exemplo, na chamada "taxa de recusa". No Barómetro da Marktest a amostra é construída de novo em cada inquirição mensal. Daí que para recrutar uma amostra de 800 elementos sejam necessários milhares de contactos telefónicos, e que se fale de taxas de "sucesso" na selecção de 10% ou 15%.

Já há muito que a Marktest publica uma minuciosa ficha técnica onde todos os procedimentos são apresentados de forma clara e detalhada. Optámos, de uma maneira ostensiva, por não "adoçar" a ficha metodológica. O Barómetro já se publica há quase 20 anos, e em momentos críticos de "viragem eleitoral" demonstrou ser a metodologia correcta. Veja-se o que aconteceu nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, em que o Barómetro da Marktest foi o único que antecipou os resultados.

A Marktest, que cumpre 30 anos neste mês de Junho, conquistou pela sua independência, pelo seu rigor e pela sua transparência, o direito a ser uma referência, no meio político, no meio jornalístico, no público em geral, e até no sector que produz as sondagens de opinião. E que faz jus ao seu slogan de sempre: "Informar com rigor para decidir melhor".

Luís Queirós
Chairman do Grupo Marktest

Texto publicado no Diário Económico de 5 de Junho de 2010

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais
  • The Art & Science of Inovation

    16 a 18 de junho de 2024

    ESOMAR

    Chicago, EUA

    events@esomar.org

  • 30 anos CNPD

    A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) realiza uma conferência internacional, integrada nas comemoraçãoes do seu 30º aniversário.

    24 de junho de 2024

    Comissão Nacional de Proteção de Dados

    Sala do Senado, Assembleia da República, Lisboa

    geral@cnpd.pt