Classe alta com maior afinidade com imprensa

A análise dos dados do Bareme Imprensa da Marktest permite concluir que os indivíduos da classe social alta são os que possuem maior afinidade com a imprensa, revelando um consumo superior à média.

Grupo Marktest,  9 fevereiro 2010

A análise dos dados do Bareme Imprensa relativos à cobertura máxima de imprensa em 2009 mostra que a idade e a classe social são as variáveis mais discriminantes, uma vez que são as que revelam maiores diferenças de comportamento entre os indivíduos, sendo estas medidas pelo desvio-padrão.

A análise destes dados permite ainda observar que a região é a variável menos determinante no consumo de imprensa, que o género é também uma variável pouco heterogénea e que a ocupação é uma variável onde também se observam comportamentos diferenciados no consumo de imprensa.

Segundo os resultados do Bareme Imprensa, 86.7% dos residentes em Portugal Continental com 15 ou mais anos leu ou folheou jornais ou revistas durante o ano de 2009. Os indivíduos da classe social alta são o target que observa maior afinidade com a imprensa, com 98.4% de cobertura máxima.

Tendo em conta as principais variáveis sociodemográficas, vemos que os quadros médios e superiores, os homens, os jovens, os indivíduos da classes sociais mais elevadas e os residentes nas regiões da Grande Lisboa e do Grande Porto apresentam também valores acima da média. Os reformados e pensionistas, as domésticas, os indivíduos do Interior Norte e do Sul, os pertencentes à classe social baixa e os idosos com mais de 64 anos, pelo contrário, evidenciam hábitos de leitura de imprensa abaixo da média do universo.

O Bareme Imprensa é o estudo regular da Marktest que analisa os hábitos de audiência de imprensa dos residentes no Continente com 15 e mais anos. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais