Protecção do ambiente preocupa lisboetas e portuenses

Em sondagem exclusiva para a Marktest.com realizada pela Marktest, os residentes nas regiões da Grande Lisboa e Grande Porto (18-64 anos) confessam-se mais preocupados com as questões da protecção ambiental do que há dez anos atrás.

Na altura em que decorre em Joanesburgo a Cimeira Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, que se prolonga até ao próximo dia 4 de Setembro, a Marktest.com solicitou à Marktest a realização de uma sondagem para conhecer as opiniões e hábitos dos lisboetas e portuenses face às questões sobre a protecção do ambiente.

Na sondagem, realizada no passado dia 22 de Agosto, 86.8% dos inquiridos nestas regiões revelavam estar mais preocupados hoje do que há uma década atrás face às questões da protecção do ambiente.

As mulheres estão mais preocupadas com este tema do que os homens, já que 89.2% dos inquiridos do sexo feminino responderam estar hoje mais preocupados com estas questões, face aos 84.2% dos inquiridos do sexo masculino que também foram dessa opinião.

A idade dos inquiridos revela-nos uma situação interessante, já que são os mais idosos (97.7% junto dos indivíduos entre 55 e 64 anos) e os mais jovens (93.1% juntos dos indivíduos entre os 18 e os 24 anos) a revelarem hoje maiores preocupações com estas questões do que há dez anos atrás. Já junto dos indivíduos dos 25 aos 44 anos encontramos o maior número de respostas (18.8%) indicando que se preocupam hoje da mesma forma do que antes com as questões da protecção do ambiente.

A consciencialização dos problemas ambientais parece fazer, entretanto, parte dos hábitos destes indivíduos, já que 76.4% deles afirma fazer separação do lixo doméstico para reciclagem. Encontramos maior número de respostas positivas a esta questão junto dos indivíduos mais idosos, bem como junto dos residentes na região da Grande Lisboa e junto dos indivíduos pertencentes às classes sociais mais favorecidas.

Os materiais separados para reciclagem pelos indivíduos que afirmam fazer essa separação são sobretudo o vidro (88%), o papel ou cartão (85.3%) e as embalagens/plásticos (67%). A separação para reciclagem de pilhas é feita apenas por 18.3% dos inquiridos que afirmaram fazer separação de lixo doméstico.

Veja aqui a ficha metodológica desta sondagem.



Nota: Indivíduos que afirmam fazer habitualmente separação de lixo doméstico


Base: Indivíduos que afirmam fazer habitualmente separação de lixo doméstico


Fonte: Marktest



Arquivo de notícias

Clipping

ver mais

Em Agenda ver mais