A evolução da situação política no barómetro Marktest/DN/TSF

O facto mais relevante do Barómetro de Novembro é a recuperação do PS nas intenções de voto, a qual contraria a tendência de recuperação que o PSD tinha apresentado no mês de Outubro (ver gráfico I).

De facto, com uma intenção de voto estimada em 43,3%, o PS seria provavelmente o partido mais votado caso as eleições para a Assembleia da República se realizassem hoje.
Esta recuperação do PS estende-se a todos os estratos etários, com excepção do grupo de 55 e mais anos, da região Interior Norte e da Classe Média.

O PCP e o CDS apresentam-se com valores de 5,5% e 6,5%, respectivamente, abaixo dos resultados obtidos nas eleições de Março passado. O Bloco de Esquerda sobe para 4,6%, mostrando a consolidação de uma tendência ganhadora.

A alternância na liderança entre o PSD e o PS, que se verifica desde Maio passado, mostra que não existe ainda uma tendência definida nas intenções de voto, pois as oscilações ocorrem dentro do intervalo de mais ou menos 3,5%, que é o intervalo de confiança dos resultados.



A imagem dos políticos

São, em geral, personalidades de esquerda que obtêm neste de mês de Novembro os maiores ganhos em termos de imagem. Podemos citar os casos de Francisco Louçã (+6%), Ferro Rodrigues (+4%) João Soares (+4%, embora ainda longe dos valores que tinha enquanto Presidente da CML), Jaime Gama (+4%), António Costa (+4%) e José Sócrates (+4%) .

Personalidades de direita mantêm os valores anteriores ou descem ligeiramente. Paulo Portas baixa um pouco relativamente ao mês passado (as referências negativas duplicaram em 4 meses, passando de 23% em Julho para 50,3% em Novembro) e está longe da boa imagem do verão passado).

Durão Barroso mantêm-se nos 38% (melhorou desde que é primeiro ministro!), e Jorge Sampaio atinge neste mês de Novembro a marca mais elevada do último ano, com 76% de referências favoráveis.

Pedro Santana Lopes tem vindo a perder ligeiramente (já teve 72% de referências positivas em Maio; hoje tem 65%), mas continua a liderar, em termos de imagem, as personalidades da direita.



A Expectativa

No geral, o índice de expectativa continua a ser de forte pessimismo, que não se agrava entre Outubro e Novembro, mas acentua-se mais a fractura entre os eleitores PS e PSD: os eleitores PS estão fortemente pessimistas (índice 15 numa escala de 0 a 100), ao passo que os eleitores PSD (com um índice 50) parecem ter ainda alguma esperança numa evolução positiva da sua situação económica pessoal e da situação económica do país. De resto, mantém-se a tendência: maior pessimismo nas mulheres e no grupo etário mais activo (35-54) anos.



Consulte aqui a ficha metodológica deste estudo.

Arquivo de notícias

Clipping

ver mais

Em Agenda ver mais