Usam PC em casa

Grupo Marktest,  18 janeiro 2005

Aproximadamente um terço dos portugueses com 15 e mais anos utilizam computador em casa, de acordo com os dados do estudo Consumidor 2004, da Marktest.

O Consumidor contabiliza 2 743 mil residentes no Continente com 15 e mais anos que costumam utilizar computador em suas casas. Um número que representa 33.0% do universo em estudo.

Este hábito abrange sobretudo os jovens, os residentes na Grande Lisboa, as classes alta e média alta, os quadros médios e superiores e os estudantes.

Dos residentes na Grande Lisboa, 43.2% afirma utilizar computador em casa. Também os indivíduos dos sexo masculino apresentam uma taxa superior à média do universo, de 40.2%. Por idades, as diferenças são maiores, com mais de três quartos dos jovens dos 15 aos 17 anos a usarem computador em casa (76.0%). Dois terços dos jovens entre os 18 e os 24 anos também evidenciam uma taxa elevada, de 66.7%. Da mesma forma, os quadros médios e superiores e os estudantes são os grupos ocupacionais com mais adeptos deste equipamento, comum em casa de 80.6% dos primeiros e de 79.9% dos segundos. Nas classes sociais, são a alta e a média alta as que apresentam maior valor, de 68.2%.

Numa análise do perfil sócio-demográfico dos indivíduos que costumam utilizar computador em casa, vemos como 58.1% deles são homens, 39.1% reside nas regiões da Grande Lisboa e Grande Porto, 61.8% têm menos de 35 anos, 69.4% pertencem às classes sociais alta e média alta ou média e 49.8% são quadros médios e superiores ou estudantes.

De acordo com os dados do estudo Brand Index 2004 da Marktest, vemos como estes indivíduos registam uma afinidade elevada com marcas como a Sapo/Netsapo/Telepac, nos fornecedores de acesso à Internet, a Ucal, no consumo regulra de leite chocolatado, a Golden Grahams, nos cereais, ou a Pringles, nas batatas fritas de pacote - marcas que consomem acima da média do universo. Pelo contrário, têm menor afinidade com marcas como a Palmolive, nos champôs, a 8x4, nos desodorizantes, a Pop, nos detergentes para lavar roupa à mão, ou a Mimosa, nos iogurtes magros, com as quais se observam índices de consumo abaixo da média do universo.

Esta análise foi realizada com base nos resultados dos estudos Consumidor 2004 e Brand Index 2004 da Marktest. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais