PS sem maioria absoluta e mais próximo do PSD

Os resultados de Janeiro do Barómetro Político Marktest mostram que o PS não atingiria maioria absoluta se as eleições se realizassem hoje e volta a estar mais próximo do PSD.

Grupo Marktest,  29 janeiro 2008

De acordo com os dados de Janeiro do Barómetro Político Marktest, o PS volta a registar uma quebra nas intenções de voto, à semelhança do que tinha ocorrido em Outubro de 2007. O PS regista agora nas intenções de voto um valor de 38.1%, seguido do PSD com 33.5%.

Com 9.9% de intenções de voto, o PCP/CDU mantém-se desde Setembro de 2007 como a terceira força partidária. BE e CDS/PP surgem em quarto e quinto lugar, respectivamente.

A registar ainda, a tendência de subida nas intenções de voto no CDS/PP desde Outubro de 2007, alcançando em Janeiro de 2008 uma intenção de voto de 6.3%, ou seja mais 3.4 pontos percentuais do que em Outubro de 2007.

Avaliação de Imagem Presidente da República

Nos primeiros meses do seu mandato, a actuação de Cavaco Silva foi considerada positiva por 35 a 45% dos inquiridos em cada mês. Em Junho de 2006 esse valor sobe para 61,6% e desde então não volta a descer abaixo dos 60%.

Este mês, uma vez mais, mantém-se esta situação, registando-se 64,2% de avaliações positivas - no entanto, menos 5.7 pontos percentuais do que o registado em Novembro de 2007, altura em que Cavaco Silva registou o valor mais alto de avaliações positivas face à sua actuação.

Avaliação de Imagem 1º Ministro e lideres PSD

É este mês que se regista a menor percentagem de inquiridos que consideram a actuação do Primeiro Ministro e líder do PS, José Sócrates, positiva: 31%.

Após dois anos em que se registaram flutuações na sua imagem, José Sócrates observa agora uma perda de 15.5 pontos percentuais face a Fevereiro de 2006.

Quando Luís Marques Mendes deixa a liderança do PSD, em Setembro de 2007, apenas 18.1% dos inquiridos avaliaram positivamente a sua actuação.

No primeiro mês em que a actuação de Luis Filipe Meneses é avaliada como lider do PSD, Outubro de 2007, 25% dos inquiridos consideram-na positiva.

Índice de Expectativa

Nos últimos dois anos, o indice de expectativa económica tem apresentando flutuações entre o pessimismo quase acentuado e o pessimismo moderado. Foi em Setembro de 2006 que se registou o valor mais próximo do optimismo (43.47).

No mês de Janeiro de 2008 o valor do Índice é de 31.47, mantendo-se a tendência para o acentuar do pessimismo, que se regista desde Outubro de 2007.

De facto, desde Abril de 2006 que não se registava um valor tão baixo deste indice, altura em que atingiu 30.56.

O Índice de Expectativa é um indicador recolhido regularmente pela Marktest desde Março de 1990, junto de indivíduos com 18 e mais anos, residentes em Portugal Continental.

Para a aferição do índice utilizamos uma base de 800 entrevistas.

Aos inquiridos são colocadas 2 questões:

- Pensa que daqui a um ano a sua situação económica e pessoal e a do seu agregado familiar será Melhor, Igual ou Pior?
- E em relação à situação económica do país, pensa que daqui a um ano ela será Melhor, Igual ou Pior ?

O Índice de Expectativa face à situação económica resulta da conjugação das respostas obtidas a estas duas questões. Para a construção do índice é atribuído um valor de 100 às respostas "MELHOR", 50 às respostas "IGUAL" e 0 às respostas "PIOR", não entrando na análise os indivíduos que não responderam às questões. O índice geral resulta de uma média dos índices parciais. Valores acima dos 50 pontos traduzem expectativas positivas e valores abaixo dos 50 pontos traduzem expectativas negativas, aconselhando-se para a interpretação dos resultados a seguinte grelha de análise:

Valor do Indice de Expectativa
0-25 Pessimismo acentuado
25-50 Pessimismo moderdo
50-75 Optimismo moderado
75-100 Optimismo acentuado

Os resultados deste Barómetro estão disponíveis aqui.

Consulte a Ficha Metodológica deste Barómetro ou contacte-nos para mais informações sobre este assunto

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais

  • Winter School: Media and Populism

    Segundo a organização, o objectivo desta iniciativa é "debater, numa perspectiva global, o fenómeno do populismo contemporâneo, percebendo de que modo este utiliza a comunicação mediada, do jornalismo aos meios digitais, para chegar ao poder”.

    15 a 19 de janeiro de 2019

    Faculdade de Ciências Humanas - Universidade Católica

    Palácio Foz, Pestana Pousada de Lisboa e Universidade Católica Portuguesa

    ucpwinterschool@gmail.com

  • Marketing em Debate

    Integrado nas "Conversas M&P" esta conferência irá juntar diversos profissionais, entre responsáveis de marketing, de agências de meios e criativas e de grupos de media.

    17 de janeiro de 2019

    Meios & Publicidade

    Cidade do Futebol, Cruz Quebrada

    talbuquerque@meiosepublicidade.pt