O impacto das campanhas de sensibilização com figuras públicas

De acordo com os resultados de estudos realizados pela Novadir, os médicos mostram-se mais optimistas do que a população em geral quanto à eficácia das campanhas de sensibilização social utilizando "figuras públicas".

Novadir,  2 outubro 2007

Dando continuidade à sondagem realizada junto da classe médica sobre as Campanhas de Sensibilização Social com figuras públicas, a Novadir realizou uma sondagem junto da população portuguesa sobre o mesmo tema.

Os médicos são mais "optimistas" do que a população quanto à eficácia das campanhas de sensibilização social utilizando "figuras públicas"

Numa análise da eficácia e do impacto das campanhas de sensibilização social sobre temáticas relacionadas com a saúde, constatamos que a população Portuguesa não é tão optimista quanto a classe médica: 49% da população inquirida considera eficaz este registo de campanhas face aos 59% dos médicos que as considera eficazes.

O mesmo alinhamento de resultados se observa a nível do impacto que as mesmas podem surtir: 47% da população inquirida é da opinião que estas são efectivamente impactantes, sendo este valor de 69% na classe médica.

"Campanha do Cancro da Mama no Alvo da Moda" e "Campanha para Deixar de Fumar de Diogo Infante" são as mais recordadas

Segundo esta sondagem realizada pela Novadir, a campanha de sensibilização "O Cancro da Mama no Alvo da Moda" (promovida pela Associação Laço com o apoio da Roche e da Lanidor e envolvendo diversas figuras públicas) e a campanha "Sensibilização para Deixar de Fumar com Diogo Infante" (promovida pela Pfizer e Sociedade Portuguesa de Pneumologia), são claramente as mais recordadas, quer pela classe médica quer pela população.

A campanha "O Cancro da Mama no Alvo da Moda" é a mais recordada espontaneamente, obtendo um índice de recordação similar quer junto da população quer junto da classe médica (15%). Já a campanha "Sensibilização para Deixar de Fumar", a 2ª campanha mais recordada, obtém um índice de recordação espontânea consideravelmente mais elevado junto da classe médica do que junto do público em geral (14% e 8%, respectivamente, recorda-se desta campanha).

A campanha "Passa a Palavra", que visa sensibilizar a população em geral para o cancro do colo do útero (doença que vitima anualmente cerca de 15.000 mulheres na Europa e 378 mulheres em Portugal), também protagonizada por uma figura pública (Júlia Pinheiro) tem um nível de recordação espontânea de 8% junto dos médicos inquiridos, enquanto que este índice é de 4% para a população geral.

É de realçar, no entanto, a elevada percentagem da população inquirida (70%) que não se recorda de nenhuma campanha de sensibilização envolvendo figuras públicas, valor substancialmente mais elevado face aos médicos (43% dos médicos não se recorda de nenhuma campanha). Talvez estes valores sejam uma das explicações por que os médicos consideram estas campanhas mais eficazes do que a própria população, já que este target (médicos) tem índices de recordação deste tipo de campanhas mais elevados do que a população.

Júlia Pinheiro e Diogo Infante são as "figuras públicas" mais recordadas pela população, contudo Diogo Infante obtém indices superiores de recordação comprovada da campanha que protagoniza

São várias as "figuras públicas" que no dia-a-dia "são a cara" de diversas campanhas de sensibilização social. De acordo com esta sondagem realizada junto da população, Júlia Pinheiro e Diogo Infante são as figuras públicas associadas a estas campanhas de maior notoriedade junto dos portugueses (17% e 16%, respectivamente). Já para a Classe Médica, são Diogo Infante e Rosa Mota as "figuras" mais recordadas.

Esta recordação das "figuras públicas" coexiste com uma "associação confusa" face às campanhas que protagonizam. Júlia Pinheiro, figura mais recordada pela população, obtém indices de "recordação confusa" muito elevados: 88% dos inquiridos que se recordam da participação da Júlia Pinheiro nestas campanhas associa, incorrectamente, a sua participação à campanha do "Cancro da mama no alvo da moda" e apenas 37% a associa correctamente à campanha que protagoniza - Passa a palavra (Cancro Cólo do útero).

Diogo Infante, segunda "figura pública" mais recordada, obtém uma associação correcta de 47% à campanha que protagoniza (Sensibilização para Deixar de Fumar). Importa recordar que 71% dos médicos que se recordam de Diogo Infante associam-no a esta campanha, ou seja, é uma campanha com elevada recordação comprovada, quer no conteúdo, quer na "imagem".

94% da população inquirida recorda-se de ver estas campanhas na televisão

Relativamente aos meios de suporte utilizados nas campanhas, os inquiridos destas sondagens (classe médica e população em geral), referem que se recordam das campanhas essencialmente pela televisão, com maior reforço deste meio junto da população. Outdoors e/ou Cartazes são o segundo suporte de maior recordação das campanhas, principalmente pela classe médica: 15% dos médicos recorda-se destas campanhas em outdoors e/ou cartazes, face a 9% de recordação junto da população.

Globalmente, há uma maior dispersão de recordação em diversos suportes por parte dos médicos inquiridos, enquanto que a população tem uma maior concentração no meio TV.

Os outdoors foram um veículo importante de recordação das campanhas de Sensibilização para Deixar de Fumar, da SIDA e do Cancro da Mama no Alvo da Moda.

Profissionais de saúde "eleitos" pela população inquirida como os mais adequados para este tipo de campanhas. Para os médicos, as figuras ligadas ao desporto surgem como as mais relevantes

Com o intuito de fornecer informação para planear futuras campanhas, a NOVADIR inquiriu os dois targets sobre quais as figuras públicas que consideram mais adequadas a este tipo de campanhas, verificando-se neste indicador uma elevada divergência de opiniões entre a população e a classe médica: se para a população são os próprios profissionais de saúde as "figuras" que apresentam melhor perfil para protagonizar este tipo de campanhas de sensibilização social, já para os médicos, as figuras públicas que mais eficazmente poderiam dar a "cara" por estas campanhas são as ligadas ao desporto. Talvez por este facto os médicos se recordam mais de Rosa Mota e de Figo como protaonistas deste tiupo de campanhas do que a população. As figuras ligadas ao mundo da televisão e da rádio também obtêm elevados índices de preferência por parte da população, de sublinhar que Júlia Pinheiro foi a "cara" mais recordada pela população.

Para mais informações sobre este estudo, contactar:
Novadir

Telf. +351 21 358 33 10



Ficha Técnica:

Estudo realizado pela Novadir, junto de uma amostra aleatória de 300 indivíduos de ambos os sexos com mais de 25 anos residentes em Portugal em lares com telefone fixo (para um intervalo de confiança de 95% o nível de erro é de ±5.66 pp). A informação foi recolhida por entrevista telefónica (CATi System), entre os dias 25 de Agosto e 05 de Setembro de 2007. Para o target médico, amostra aleatória de 155 médicos da especialidade de Clínica Geral, que exercem actividade em Portugal (para um intervalo de confiança de 95% o nível de erro é de ± 7.09 pp). A informação foi recolhida por entrevista telefónica (CATi System), entre os dias 4 e 28 de Junho de 2007.

Arquivo de notícias

Em Agenda ver mais